domingo, 13 de novembro de 2011

Rivalidade entre Madrid e Barcelona – muito além do futebol

De longe e sem nunca ter ido para a Espanha, não conseguia entender a rivalidade entre Madrid e Barcelona. Algumas pessoas que conheciam as duas cidades tentavam me explicar de uma forma bem simples, dizendo que Madrid é como São Paulo e Barcelona é como o Rio. Outras, que era devido a competição entre os dois principais times de futebol das duas cidades.

Gosto de estudar a história dos lugares que visito, mas só consegui entender essa rivalidade quando conheci as duas cidades. Em Madrid, tentei incluir esse assunto nas minhas conversas, mas não consegui muita atenção. Somente quando cheguei em Barcelona, e comecei a conversar com as pessoas de lá, é que entendi realmente a sua dimensão.

Claro que tem diferenças muito simples de entender, como a localização geográfica das duas cidades.


Madrid é a capital e a maior cidade da Espanha. Localizada no centro geográfico do país, é hoje considerada o centro financeiro e político da Península Ibérica.

Barcelona é a segunda maior cidade da Espanha, e se localiza na fronteira leste do país, na costa do Mediterrâneo. Barcelona é hoje o maior centro industrial do país, e o seu porto é um dos mais importantes do Mediterrâneo em tonelagem de mercadorias e containers.

No entanto, não é localização geográfica e atividade econômica que explica de verdade a rivalidade existente, mas sim toda a história do país e seu passado político.

A Espanha se unificou como nação, mas é o resultado da soma de várias regiões com características culturais muito diferentes entre si, e que foram, durante muitos séculos, governadas como reinos totalmente independentes.

Claro que a maioria dos países atuais também foram formados pela unificação de regiões e territórios conquistados em guerras, mas conseguiram adotar uma língua única e uma identidade como nação. No Brasil tivemos no passado alguns movimentos separatistas, mas no presente nenhum movimento que se pretenda separatista tem muita força e adesão.

As diferenças culturais na Espanha são muito fortes e mantidas vivas até hoje, e o país convive frequentemente com grupos separatistas até extremados, como é o caso do ETA, que quer a independência do País Basco.

Desde a Constituição de 1978, a Espanha está oficialmente dividida em 17 Comunidades Autônomas. Quatro delas - Galiza, País Basco, Andaluzia e Catalunha - possuem maior autonomia e poder de decisão e soberania com relação às demais, autonomia devidamente reconhecida pela Constituição. Essa divisão e autonomia ajudou a respeitar as diferenças de cada região, e foi a solução encontrada para a transição democrática da época pós-franquista para enfrentar o problema eterno das reivindicações democráticas de independência.

Regiões da Espanha - fonte Wikipedia
Apesar do espanhol ser a língua oficial da Espanha, as comunidades autônomas possuem idiomas denominados co-oficiais que são ensinados nas escolas e falados nas ruas. Durante a minha passagem pela região catalunha – Valência, Costa Brava e Barcelona – conversei com várias pessoas que me juraram não falar o espanhol e saber apenas o catalão. 


Assim, cada região consegue manter e cultivar os seus custumes, sua língua e os seus valores.

Durante a ditadura de Franco, qualquer movimento de separação e independência foi devidamente sufocado e mantido sob controle.

Franco chegou ao poder liderando um movimento de extrema direita, depois de levar o país a uma violentíssima guerra civil. Como o movimento franquista nasceu em Madrid, entendemos porque é mais fácil encontrar pessoas em Barcelona mais inflamadas contra Madrid do que o oposto. Todas as outras regiões, e como conseqüência também a Catalunha e sua capital Barcelona, é que tiveram de aceitar as regras e a forte repressão do regime imposto por Madrid.

Essa rivalidade se reflete na rixa radical existente entre os dois principais times de futebol das duas cidades. Para a população catalã, o Real Madrid CF representava a realeza e o poder centralizador de Madrid e imposição da Espanha como Estado Maior. Já o FC Barcelona simbolizava a resistência catalã, representando sua cultura e seu desejo de independência.

Um pouco mais profundo do que as rivalidades que temos aqui no Brasil.

5 comentários:

  1. Oi Adriana!

    Pra variar, deu ótimas explicações em seu post.

    Sobre o estilo das cidades, essa história de São Paulo x Rio é muito fraquinha mesmo...nada a ver com nada.

    E a parte das rivalidades é bem complexa, como é complexa a relação entre as comunidades autônomas e até dentro delas.
    Tenho família em Granada (Andalucía) que fica pê da vida com essa história de nacionalismo basco e catalán. Vivi 7 meses em Barcelona e pude atestar que esse nacionalismo existe, mas não é da maioria.
    A maioria quer SIM ser considerada diferente e ter seus valores, principalmente o idioma, respeitados. Porém é apenas a minoria que gostaria de se separar. Mas essa minoria é barulhenta e faz parecer que é um desejo de toda a região. É como os poucos alunos da USP querendo expulsar a PM como se fosse a vontade de todos....

    E essa história de ter gente que não fala espanhol é pirraça pura deles. Todos, sem exceção, sabem falar. Ok, talvez haja alguns velhinhos fazendeiros em Vic que se recusaram a aprender...rsrs

    E Madrid ou Barcelona? As duas são ótimas, moraria facilmente em ambas pra sempre, mas na minha opinião Barcelona tem um "quê" de fantasia que é encantador.

    Abraços,
    Daniel Castro

    ResponderExcluir
  2. Oi Daniel,

    Bom... em primeiro lugar, seu comentário me faz ver que eu preciso estudar mais. E que só uma viagem nao é necessária para conhecer a cultura de um povo em toda a sua extensão, por mais que eu me esforce.

    Acho que é isso mesmo que você colocou, as pessoas com quem eu conversava tinham orgulho das suas diferenças, mas quando eu perguntava se torciam para a Espanha na copa do mundo, todos diziam que sim. Essa resposta é uma maneira bem simplista de ver que eles se identificam com o país, não somente com sua região.

    Então concordo com você, os movimentos separatistas também não tem tanta adesão como a maioria barulhenta gostaria.

    De qualquer maneira, é uma realidade muito diferente da que vivo como brasileira, apesar de aqui também termos diferenças culturais, rivalidades, preconceitos contra algumas regiões.

    Escrever para mim é uma maneira de organizar os meus sentimentos e pensamentos e escrevi o post porque realmente fiquei impressionada com a Espanha, e quis entender mais esse sentimento, esse passado histórico, o período da ditadura de Franco que eu conhecia tão pouco.

    Você, como sempre aliás, sempre me faz pensar um pouco mais ou ver as coisas sob uma perspectiva diferente.

    E quanto a Madrid ou Barcelona? Viajei com a sombra dessa pergunta (nossa, como estou dramática!) porque um amigo disse que ia me cobrar essa resposta quando eu voltasse de viagem.

    Daniel, não consigo responder!!! Algumas vezes lembro de Madrid e penso que gostei mais de lá, mas outras é Barcelona que toma o primeiro lugar rsrsrsrs.

    Estou totalmente em cima do muro, mas imito você. Moraria facilmente em ambas, para sempre.

    Um abraço grande,

    Adriana

    ResponderExcluir
  3. madrid e show e seu time e o melhor do mundo

    ResponderExcluir
  4. Madrid é mesmo show!
    Abraços,
    Adriana

    ResponderExcluir
  5. Que legal, sempre quis saber o porque desta rivalidade.
    Um pais que tem história tem que ser respeitado.
    Muito diferente do nosso gigante adormecido que até mesmo o mais simples livro de história foge a verdade. abraços. Valeu pelo post.

    ResponderExcluir